Minha Triste Vida Vegan (nova série)

 

Começamos hoje uma nova série aqui no Distrito Vegetal, um espaço para compartilharmos histórias de tragicomédia vegana:  “Minha Triste Vida Vegan”.  Uma espécie de Classe Média Sofre da vida sem carne, ou um  1st World Problems do veganismo. Tenho certeza que todo mundo que tem empatia por esse estilo de vida já se sentiu um pouco num episódio de “Todo mundo odeia o Chris”, e eu não tô falando do Caruso não.

Essa nova seção do blog serve como reforço dos nossos laços de solidariedade, na alegria e na tristeza. E também porque a gente adora rir da própria desgraça. Se você tiver uma boa história, manda aí: poneteo@gmail.com

1) “se você soubesse como dá trabalho fazer esse molho”

Domingo a noite, dia de ir com a (ex)juventude ao restaurante japonês na sequência do açaí 700 ml. Tudo muito gostoso, rolinho primavera, arrozinho, cogumelos cuidadosamente feitos no azeite para atender todas as nossas restrições alimentares. E eu me esbaldando no molhinho teriyaky. Ele tava até escondido na cozinha, eu que pedi pra trazer.  A cada mordida, mais uma  mão daquele caldo gosmento. Fim da refeição, pago a conta e tentando ser simpático pergunto ao garçom. “Pô, bom demais esse Teriayaky de vocês. Eu já comprei lá em casa, mas não era nem perto de ser tão gostoso quanto esse. No que ele me responde: “Rapaz,  se você soubesse como dá trabalho fazer esse molho…” Como sempre curioso, cometo erro crasso  de continuar perguntando. O que os olhos não vem, a barriga vegana não sente.

– Isso daí tem que ficar cozinhando 24 horas, sem parar.

– 24 horas?! Caracas!

– Aí a gente vai jogando todo o que sobrou na cozinha.  Espinha de peixe, resto de frutos do mar, pedaço de frango…

Só restou cair na risada pra disfarçar o choro. Pô, eu tava confiando no Yahoo Respostas, que também me disse que OS VEGANS tão querendo deixar todo mundo doente.

 2) “isso seria mais um limitador”

Vou manter o anonimato das identidades física e jurídica envolvidas por uma questão de preservação da fonte, coisa que  o Robert Redford me ensinou.  Um amigo, inspirado pelas conquistas positivas do Distrito Vegetal, resolveu fazer parecido e enviar um e-mail para uma de suas lanchonetes favoritas em sua cidade.

Olá, Sou vegan (vegetariano completo, não consumindo nenhum produto de origem animal, como leite, ovos, manteiga, etc…) (…) Gostaria de sugerir a inclusão de opções veganas no cardápio da lanchonete. O mais prático seria a adoção de um hambúrguer vegetariano. (…)

e por aí segue.  Eis a resposta da lanchonete:

Sei da importancia dessas inclusões no cardápio e estamos avaliando… Por agora vc já tem opções como o pastel de ricota, omelete de queijo/napolitano, salada de frutas e os sucos. Ñ sei exatamente em que nível de rigor vc inclui/exclui o leite e os ovos… isso seria mais um limitador. Espero ter ajudado, att.

Putz grila! Omelete napolitano?  Pastel de ricota? Mais um limitador? Pelo visto a pessoa espera um nível de rigor bem baixo mesmo. Ainda se despede esperando que tenha ajudado! Ajudou sim, a fazer esse post aqui.

5 responses to this post.

  1. Posted by Jully on abril 2, 2012 at 21:57

    hahaha
    poxa, acho que tinha que colocar pra jogo o nome da lanchonete heim.
    e quando tá gostoso demais a gente acaba desconfiando mesmo, mas onde que você ia imaginar que colocam resto de bicho morto no molho?? fail.

    Responder

  2. Posted by Daniel on abril 4, 2012 at 23:22

    o resto do bicho morto é o que deixou o molho teryaky bom hehe

    cabe uma nova visita pra tirar a prova.

    Responder

  3. Aê Poney, dando uma passada aqui no blog! Esse lance aí de “todo mundo odeia os vegans” todo mundo já passou rsrs mas o que me deixa puto é quando galera vêm alugar você por não querer comer determinada comida… lembro uma vez no antigo bar do metal daqui de CG que um “banger” veio me alugar pq eu não comia carne e só queria comer do caldo verde de lá rs

    Depois dá uma sacada no blog que tô mantendo com uns chegados daqui de CG, é de uma espécie de coletivo que tamos agilizando. Adicionei o distrito lá nos relacionados. http://heresia-coletiva.blogspot.com/

    Abração velho
    vespa, vulgo sandro

    Responder

    • Posted by poney on abril 9, 2012 at 15:18

      fala sandro!
      obrigado por compartilhar o blog, vou passar a acompanhar todas as publicações.

      grande abraço e espero que possamos nos encontrar em breve!
      poney

      Responder

  4. Posted by Izabele Pimenta on abril 9, 2012 at 16:33

    Boa tarde, DV!
    Tenho uma amiga que faz lanches vegans (coxinha, kibe, risole, pastel e alfajor) sob encomenda. São práticos, ótimos para as fominhas da madrugada, aquele momento em que estamos em casa morrendo de fome, mas com preguiça preguiça de preparar comida e não encontraremos nenhum lugar aberto que nos contemple gastronomicamente.🙂
    Vale a pena conferir e, se pá, divulgar aqui.
    Tham Borges – http://www.facebook.com/profile.php?id=100002176042416
    telefone: 8572 4029 (oi)
    9233 6475 (claro)
    email: tham.borges@gmail.com

    Gratidão

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: