Posts Tagged ‘não é vegan!’

Rapidinhas Vegetais 2012 (V)

Cows Get Spring Fever GIF - Cows Get Spring Fever

Depois do enorme texto da semana passada, vamos logo para a nossa atualização de links e dicas semanais sem mais delongas:

1) Caçadores de Mitos Vegan: Farinha “Láctea” Soymilk e leite Yoki – NÃO é vegan

(para ler acompanhado do botãozinho http://www.nooooooooooooooo.com/)

Tá aqui a explicação do pessoal do Om Shanti: “Infelizmente os produtos da Olvebra são sem lactose mas nem sempre são veganos. É o caso desse preparado para mingau que é semelhante à farinha lactea. Em seus ingredientes encontramos a vitamina D (Colecalciferol) que tem sido alvo de várias questionamentos e que também é encontrada em leites de soja como o Pura Soja e Mais Vita da Yoki. Essa vitamina utilizada no produto Soymilke sabor Farinha Láctea é de origem sintética, sintetizada através de um produto de origem animal, portanto NÃO É VEGANA”

Pelo que pesquisei o negócio é feito com pelo de carneiro, é mole? Pô, farinha láctea é a coisa que eu mais sinto falta nessa vida. eu geralmente faço uma emulação com uma mistura de ades quente, farinha de aveia, canela e açúcar mascavo, mas não é a mesma coisa… nunca será a mesma coisa!  Vou tentar conseguir os contatos da empresa e postar aqui pra fazermos uma mobilizaçãozinha, afinal quem é que precisa de Vitamina D, né?

2) Escolha Vegan Comésticos

Uma boa novidade pra quem quer se ligar nos aspectos não-alimentares do veganismo é o blog “Escolha Vegan Comésticos”, colo aqui a descrição dessa iniciativa bacaníssima da Fabiana: “A proposta do Blog é apresentar os melhores produtos Cosméticos vegan disponíveis no mercado. Se você já fez a sua escolha assim como eu \o/!! Aqui pretendo conseguir também o voto SIM(!) eu uso cosméticos vegan de quem não chegou lá ainda. 😉 Para tal, reuno produtos diversos, empresas, as opiniões de quem usa, minhas pesquisas e expêriencias pessoais, etc. Entre e fique a vontade!”

Acesse:
http://www.escolhavegancosmeticos.blogspot.com/
http://www.escolhavegancosmeticos.blogspot.com/
http://www.escolhavegancosmeticos.blogspot.com/

3) Novidades para o Guia Vegano: Mixido e Salim Sou Eu

Duas novidades de lugares para comer veganamente enviadas aqui pro Distrito Vegetal.

A milena enviou o Mixido: “Tem o restaurante Mixido na 402 sul, é um fast food que faz mesmo um mexidão vegetariano, para ficar vegan é só não escolher os adcionais de ovo e queijo. É uma mistura de arroz (branco ou integral) feijão (dois tipos) e outros ingradientes para adcionar. É 5 reais o pequeno (q é um pratão) e 10 reais o grande. Vale a pena, fica aberto até as 23h.”

A alice mandou o Salim Sou Eu: “tá rolando um lugar novo pra sanduiches de falafel: salim sou eu na 405 sul (e ao que parece no lago sul e na upis também). rola um sanduiche quente de falafel e um pão sírio com hommus e salada (não tem pra que pedir esse último, provei os dois e digo: fique com o falafel, jovem!)”

4)  Reportagens: “Quinoa e violência na Bolívia” e “Diferenças culturais entre chimpanzés”

Pra terminar, duas notícias muito interessantes, a primeira tem bastante a ver com o que escrevi um pouco em O problema de classe do veganismo :

“O nosso leite-de-soja-de-cada-dia também está inserido num contexto global de commodities e outras relações macroeconômicas sacanas que praticam mais-valia em cima trabalhadorxs e exploram animais humanos e não-humanos. O veganismo deve ser uma das nossas táticas e articulações para combater tudo isso e não para fingir que vivemos em outro mundo, de conto de fadas, em que podemos lavar as mãos e dissimular não-crueldade. Somos parte da engrenagem e só tendo consciência da nossa condição de peça é que podemos fazer alguma coisa”

Febre da quinoa gera conflitos na Bolívia

“O cultivo do grão, usado por adeptos da alimentação saudável em todo o mundo, reacendeu uma disputa limítrofe entre as principais áreas produtoras do país. Segundo denúncias, as plantações ainda ameaçam causar a desertificação de uma região já inóspita para a agricultura.”

e a segunda,  que transversalmente tem muito mais a ver com veganismo do que bolinhas de quinoa:

Cientistas encontram diferenças culturais entre chimpanzés vizinhos

“Eles identificaram três comunidades diferentes de chimpanzés, cada uma com hábitos próprios para abrir nozes. Dependendo da resistência da casca, os animais usam materiais específicos – madeira ou pedra –, e o tamanho também varia.

Como essas três comunidades vivem na mesma floresta, no Parque Nacional Taï, a questão ambiental não explica as diferenças. A genética também não seria a causa, pois fêmeas saem de uma comunidade e vão para as outras, logo todos compartilham genes.”

Nem tudo é genética, nem tudo é mera resposta ao ambiente. Que bom que nem a gente nem os chimpanzés precisam ser reduzidos à uma dimensão, né?

rapidinhas vegetais 3

mais uma sessão de rapidinha vegetais.
dessa vez com pedidos de ajuda investigativa e uma sugestão de gambiarra* vegana.

Caçadores de Mitos Vegan

Eu estava espreitando pelos resultados das minhas últimas incursões investigativas antes de escrever aqui. Infelizmente, não consegui obter nenhuma resposta para o monte de emails que enviei. Típico. Bem, resolvi então vir aqui e transformar esse post num pedido de ajuda para os outros caçadores de mitos vegan espalhados por esse Distrito Vegetal.

Será que alguém aí consegue descobrir se os seguintes produtos são (ou podem ser preparados de maneira) vegan?

– arroz com legumes e shitake no Gendai
– rolinho de maçã com canela do Gendai
– picolé de fruta do Diletto
cookie de aveia do Subway

Dica de Gambiarra Vegan

Pra quem curtiu o falafel do Kikebab (dica da Joseth postada aqui), eu descobri que tem como pedir um kebab doce com banana, açúcar e canela. Não é a coisa mais deliciosa do mundo, mas é legal pra comer algo doce depois de tanto pepino em conserva.

*gambiarras veganas são aquelas adaptações e improvisos, verdadeiros frankensteins alimentícios, que nem sempre primam pelo melhor paladar (esse privilégio burguês), mas que pelo menos não trazem nada de bicho.

duas boas novas – um rápido post

duas boas novas – um rápido post – pra manter esse distrito movimentado.

1) Em mais um serviço dos “Caçadores de Mitos Vegan”, o Distrito Vegetal ajuda a esclarecer: o pão sírio do Habib’s é vegan sim! Esta seríssima e controversa afirmação já havia sido alvo de polêmica no começo do nosso blog, ocasião em que eu bati o pé veementemente a favor do combinado de farinha e água oferecido pelo fast food árabe-paulistano. Pois é, dia desses, pedi um homus lá em casa e veio o saquinho com os ingredientes. Um monte de químico, mas nada de bicho. Eu até separei a embalagem para fotografar e assim covencer até os mais céticos cerebelos do veganismo. Quem duvidar, a gente mata a cobra e mostra o pau. Bem eco-feminista essa expressão.

Agora, se o homus de lá é gostoso e vale a pena pedir, essa é uma discussão que eu deixarei para as/os bacharéis do paladar vegano, área que não é minha especialidade de atuação (vocês sabem como é esse mundo moderno né? cada um no seu quadrado).

2) Um novo blog de comida vegetariana acaba de ser lançado na rede mundial de computadores, a internet. Trata-se d’O Guia do Cozinheiro das Galáxias capitaneado pela grande pessoa humana, Dudu Leite. Cozinheiro de mão cheia (fazer pizza vegan de tofu com sabor é um desafio mais que suficiente para obter aprovação, concordam?), Dudu agora nos brinda com algumas de suas receitas no pouco tempo que tem entre defender os fracos e oprimidos com sua carteirinha da OAB e berrar nos nossos ouvidos com a banda os miss simpatia do hardcore de brasília, Low Life.

O mais legal do blog é que ele faz uma combinação extremamente nerd entre receitas vegetarianas, recomendação de trilha sonora para o momento da preparação da comida e película cinematográfica para apreciação. Quer arranjo melhor?

fui!

ah não! provolone no Feijão?

As investigações de Marina Corbucci pelas vielas veganas desse Distrito ainda muito pouco Vegetal nos trazem mais uma descoberta em clima de lamentação. Confiram o email que ela nos mandou:

Aviso aos navegantes: a tradicional feijoada do restaurante Amor à Natureza (310 norte), servida aos sábados, NÃO é vegana! Sua composição leva um pedaço de queijo provolone que, segundo a proprietária, “não pode ser retirado da receita porque senão a feijoada não fica boa”. Haja paciência! Sugiro que todos se manifestem quando forem lá aos sábados e solicitem que a feijoada passe a ser vegana (pois lá eles têm uma GRANDE resistência a oferecer opções veganas, ainda não se tocaram que boa parte da clientela é vegana).

Veganismo é como ser criança: uma eterna descoberta, uma fonte inesgotável de decepções. Brincadeira, brincadeira. Xô veganismo auto-piedoso. Sempre vai existir o pão-com-tomate né? Pra que mais?

PS:  sei que nos últimos tempos tenho ficado devendo nossas tradicionais e patéticas resenhas de comidas e lugares de comer em Brasa City. Como tem gente doida pra gostar de tudo nesse mundo, fica aqui o compromisso para essas ex-gente que não bate bem, que as resenhas voltam nessa semana.